Anvisa interditou 12 milhões de doses da CoronaVac que chegaram ao Brasil?

 Anvisa interditou 12 milhões de doses da CoronaVac que chegaram ao Brasil?

Vials of Sinovac Biotech’s CoronaVac SARS-CoV-2 vaccine. The challenge of manufacturing, distributing and administering billions of doses means many developing nations may have little choice but to use Chinese vaccines. Photographer: Nicolas Bock/Bloomberg

O Nujoc recebeu para checagem a informação de que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) realizou no dia 04 de setembro a interdição do uso de 12 milhões de doses da vacina CoronaVac. Os imunizantes, que foram encaminhados ao Brasil pela China, tiveram sido envasados em um laboratório não autorizado pelo órgão brasileiro. Ao total são 25 lotes de 12.113.934 de doses interditadas. Outros 17 lotes envasados no mesmo local, com 9 milhões de doses, estão em tramitação de envio e liberação ao Brasil.

A informação procede, contudo como ressaltado pelo Instituto Butantan não há motivo para alarmismo. “Foi o próprio instituto que, por compromisso com a transparência e por extrema precaução, comunicou o fato à agência, após atestar a qualidade das doses recebidas. Isso garante que os imunizantes são seguros para a população”, explicou em nota enviada à Agência Brasil.

A interdição cautelar tem duração de 90 dias. A Anvisa informou que, durante esse período, “trabalhará na avaliação das condições de boas práticas de fabricação da planta fabril não aprovada, no potencial impacto dessa alteração de local nos requisitos de qualidade, segurança e eficácia, e do eventual impacto para as pessoas que foram vacinadas com esse lote”.

Até o momento, segundo a agência, não há relatórios de inspeção emitidos por outras autoridades de referência, como o Esquema de Cooperação em Inspeção Farmacêutica (PIC/S) e a Organização Mundial de Saúde (OMS). Essa justificativa é o que motivou a interdição do uso do imunizante.

Apesar da interdição, o Butantan informa que as vacinadas envasadas pelo laboratório em questão da China foram analisadas e não apresentaram nenhum problema de qualidade. A matéria você pode conferir abaixo:

Em decorrência do prazo da interdição, o governo de São Paulo comunicou nesta terça-feira (14) que o Instituto Butantan irá providenciar novas doses da vacina CoronaVac para substituir os lotes que ainda não estão sendo administrados.

Hoje, 15 de setembro, 6,9 milhões de doses prontas serão entregues ao Ministério da Saúde. O governo estadual informou que elas foram produzidas pelo próprio Butantan com IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) proveniente de fábrica na China certificada pela Anvisa.

O segundo lote, com 5 milhões de doses prontas, chegará a São Paulo na próxima semana e também foi produzido em fábrica da Sinovac vistoriada pela Anvisa.

Edison Mineiro