DESINFORMAÇÃO E ELEIÇÕES NO BRASIL

 DESINFORMAÇÃO E ELEIÇÕES NO BRASIL

Por Ana Regina Rêgo

A pesquisa intitulada Desinformação On-line e Eleições no Brasil: a circulação de links sobre desconfiança no sistema eleitoral brasileirono Facebook e no YouTube-2014- 2018 e, realizada pela Diretoria de Análises de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas ( FGV-DAAP), nos fornece um panorama holístico sobre a circulação de diversos tipos de narrativas desinformacionais nas grandes plataformas digitais, com foco na Justiça Eleitoral e nas Eleições, em geral, contestando a lisura e a integridade do sistema.

Os resultados da investigação científica apontam para uma contumácia das ações de construção e circulação de narrativas desinformacionais sobre a temática, com potencial aumento em anos eleitorais, como 2020, contudo, o fenômeno da desinformação no ambiente eleitoral mantém certa regularidade também em anos em que não há eleições.

Desenvolvida dentro do Projeto FGV DAPP, Digitalização e Democracia no Brasil que possui o apoio da Embaixada da Alemanha em Brasília, o lançamento dos resultados acontece no marco da cooperação em 2020, entre a Diretoria de Análises de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas e o Tribunal Superior Eleitoral – TSE, com o intuito de contribuir positivamente para o debate crítico sobre desinformação e eleições.

Em suma, a pesquisa investigou a circulação de conteúdos que intentam levar à crença em fraudes eleitorais nas urnas com possibilidade de manipulação por parte dos partidos e/ou candidatos. O foco, como mencionamos acima, foi em  narrativas que circularam nas plataformas digitais Facebook e YouTube entre os anos de 2014 e 2020.

Foram analisadas 103.542 postagens com links nas duas plataformas à luz da engenharia digital que revela a desconfiança no processo eleitoral brasileiro.

Dentre os principais resultados elencados pelos pesquisadores da FGV-DAPP é importante mencionar  que os posts e as URLs (endereço/Localizador Padrão de Recursos )  que falam de uma possível fraude no sistema eleitoral, com predileção para ineficiência ou manipulação das urnas eletrônicas, tem crescido a passos largos desde 2015, atingindo números maiores em anos eleitorais.

Em outra visada, o estudo aponta para o fato de que 2018 foi o ano com o maior número de circulação de narrativas desinformacionais que atacavam o sistema eleitoral brasileiro e as urnas eletrônicas. Contudo, 2020 já desponta como o segundo ano com maior número de informações falsas concernentes a esta temática.

Vale destacar que nos 7 anos analisados (2014 a 2020) os pesquisadores localizaram 337.204 posts que conforme o relatório da pesquisa, “colocavam sob suspeição a lisura das eleições brasileiras. A maior parte, 335.169, foi localizada no Facebook e soma 16.107.846 interações. O restante corresponde a 2.035 posts no YouTube com 23.807.390 visualizações. A métrica do YouTube é mais contundente para mensurar o alcance dessas mensagens, porque consiste em todos que assistiram e não somente interagiram (por reações, comentários ou compartilhamentos) com o conteúdo. Isso denota que o alcance da mensagem, no Facebook, é maior do que os dados obtidos via métrica desta plataforma”.

No que concerne à 2020, os resultados do estudo apontam que por exemplo, só a página do Jornal da Cidade Online, também apontada pela CMPI-Comissão Mista Parlamentar de Inquérito das Fake News do Congresso, como uma grande divulgadora de desinformação, hospedou “ seis dos links inéditos que estão entre os mais compartilhados”.

Conforme o estudo, as narrativas desinformacionais com maior circulação e engajamento são publicações antigas disponíveis para acesso na web.

De acordo com os resultados da investigação científica expostos no relatório, “ o volume de publicações que confronta o sistema eleitoral saltou exponencialmente como previsto, no ano de 2018, no contexto da corrida presidencial, mas essa tendência se mantém elevada ao longo de 2020, na esteira das eleições municipais, embora com menor média de interações por post”.

Em linhas gerais 2018 e 2020 são responsáveis por 48,2% das postagens realizadas sobre a temática no Facebook, enquanto no YouTube podemos localizar cerca de 45,3% nestes anos. Por outro lado, somam 50.931 posts o que representa quase 50% dos 103.542 posts da amostra analisada nos sete anos.

No que concerne à interação e alcance digital o comportamento das narrativas desinformacionais nas duas plataformas se apresenta de forma similar, o que para os pesquisadores é indicativo de uma “oscilação do debate”, visto que nos anos em que ocorrem pleitos eleitorais o interesse da sociedade é superior aos anos em que a temática não está na agenda do público.

Somente  o ano de  2018 foi responsável por 41% das interações totais no Facebook e 52% das visualizações totais no YouTube. 

Em 2020 houve um aumento considerável na circulação de desinformação, contudo, de acordo com os pesquisadores não se fez acompanhar de um incremento no engajamento sobre a temática, o que pode apontar para inúmeras variáveis, mas ainda não detalhadas, necessitando de um aprofundamento na interpretação dos dados.

O estudo realizado em perspectiva histórica com recorte temporal recente, procurou apontar para o fato de que a desconfiança no sistema eleitoral brasileiro está associada ao mercado e ao fenômeno da desinformação, que por sua vez, se utilizam das plataformas digitais e são favorecidos pelos modelos de negócios destas plataformas, que objetivam a lucratividade tendo como ponto focal a visibilidade maximizada, no caso em análise, pela desinformação.

A pesquisa aponta para um grande número de conteúdos grafados na pesquisa, como perigosos e que indicam padrões que objetivam a polarização, a disseminação do ódio, da intolerância e da desinformação no Brasil.

Para conhecer a pesquisa acesse:

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *