É fake: Centenas de médicos de todo o mundo assinam declaração alertando que a Covid-19 ‘é a maior fraude de saúde do século 21’

 É fake: Centenas de médicos de todo o mundo assinam declaração alertando que a Covid-19 ‘é a maior fraude de saúde do século 21’

O texto na verdade foi publicado em uma petição online em que qualquer pessoa pode assinar.

Uma publicação que circula nas redes sociais causou muita polêmica nas últimas semanas relatando que centenas de médicos e profissionais de saúde de todo o mundo emitiram um extenso comunicado afirmando que a pandemia da covid-19 é uma fraude.
A nota aponta que a Covid-19 não é uma doença grave, defende que o isolamento social não seria a ação mais ideal, que as pessoas não deveriam usar máscaras e que, em alguns casos, a cura da doença estaria em remédios como a cloroquina.

O texto na verdade foi publicado em uma petição online no site Change.org. Na descrição, um coletivo pede para que apenas profissionais da saúde assinem a petição, indicando sua especialidade nos comentários. Entretanto, por se tratar de um site público, qualquer pessoa pode assinar o abaixo-assinado, dando a impressão de que realmente milhares de profissionais da saúde estejam apoiando a causa. Ou seja, não se pode ter autenticidade das assinaturas e, mesmo que sejam reais, elas defendem uma tese equivocada.

Vale destacar que não é porque um médico ou cientista assinou o abaixo-assinado que o documento terá, automaticamente, validade científica. Ele precisa ser validado por pares, isto é, outros cientistas. Nesse processo, eles vão avaliar se o estudo atendeu todas as normas científicas durante a realização da pesquisa.
Dizer que a pandemia é uma farsa e que a Covid-19 não é uma doença séria é, no mínimo, irresponsável diante mais de 1 milhão de óbitos registrados pela doença no mundo.
Antes mesmo de declarar pandemia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) vem destacando que a grande ameaça da covid-19 é real. “A OMS continua pedindo a todos os países que implementem uma abordagem abrangente, com o objetivo de diminuir a transmissão do coronavírus. Essa abordagem está salvando vidas e ganhando tempo para o desenvolvimento de vacinas e tratamentos”, afirmou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. Enquanto isso, milhares de cientistas ao redor do mundo realizam pesquisas e testes para tentar encontrar um imunizante eficaz contra a doença.