Médico traz informações falsas ao rejeitar o uso de máscaras como prevenção para a Covid – 19

 Médico traz informações falsas ao rejeitar o uso de máscaras como prevenção para a Covid – 19

O uso de máscaras tem sido uma das formas de prevenção contra a Covid – 19. Aliado ao distanciamento social, estas são as únicas formas de evitar a doença, atestado por estudos como este da Royal Society Publishing, publicado aqui no Nujoc Checagem.

Além dos motivos científicos, usar máscaras também é uma demonstração de cuidado com outras pessoas, pois evita o contato de gotículas de saliva que saem da boca enquanto falamos com outras pessoas. Estas gotículas de saliva podem carregar o vírus no caso de pessoas infectadas.

Mesmo assim, ainda há pessoas que desacreditam no uso de máscaras e até incentivam a não usar. É o caso deste vídeo, recebido como denúncia pelo Eu Fiscalizo.

Nele, um médico do Rio de Janeiro, que se identifica como João Vaz, afirma que o uso da máscara torna o sangue mais ácido, criando um ambiente propício para a sobrevivência do vírus.

Por causa disso, ele defende que o uso de máscaras é desnecessário em locais abertos, devendo ser utilizada apenas quando se está falando com uma pessoa a menos de um metro e meio de distância.

Esta informação de que o uso de máscaras torna o sangue ácido é falsa, pois não há evidências científicas que isso aconteça.

Usar máscara não interfere o suficiente para que o pH do sangue se altere, pois seus materiais são porosos e não bloqueiam completamente as vias respiratórias do ar do ambiente. Caso isso acontecesse, ficaríamos sufocados. A acidez do sangue é alterada pela respiração apenas em enfermidades como doença pulmonar obstrutiva crônica.

O Nujoc Checagem já comprovou que o distanciamento social e o uso de máscaras são as formas de prevenção mais eficientes contra a Covid – 19, pois evitam a contaminação pelo coronavírus.

Algumas partículas contaminadas pelo coronavírus podem permanecer no ar por algumas horas mesmo em momentos sem aglomeração, conforme um estudo da revista científica inglesa Emerging Microbes and Infections.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *